30/04/2010

O caçador de Pipas e A cidade do sol - Khaled Hosseini

Livro: O caçador de pipas
Escrito por Khaled Hosseini
Ano de origem: 2005
Li com vontade 365 páginas
Editado pela editora Nova Fronteira

Este romance conta a história da amizade de Amir e Hassan, dois meninos quase da mesma idade, que vivem vidas muito diferentes no Afeganistão da década de 1970. Amir é rico e bem-nascido, um pouco covarde, e sempre em busca da aprovação de seu próprio pai. Hassan, que não sabe ler nem escrever, é conhecido por coragem e bondade. Os dois, no entanto, são loucos por histórias antigas de grandes guerreiros, filmes de caubói americanos e pipas. E é justamente durante um campeonato de pipas, no inverno de 1975, que Hassan dá a Amir a chance de ser um grande homem, mas ele não enxerga sua redenção. Após desperdiçar a última chance, Amir vai para os Estados Unidos, fugindo da invasão soviética ao Afeganistão, mas vinte anos depois Hassan e a pipa azul o fazem voltar à sua terra natal para acertar contas com o passado.

Pensamento: Até onde você iria por um amigo?
Pois neste livro a perda da inocência foi até o limite, para satisfazer a vontade do outro.
As consequências foram desastrosas e por fim o mundo deu-se muitas voltas e o culpado foi punido e o inocente teve sua alma lavada.
Amigos se separam no espaço, mas não no laço do coração.

Nota: 10,0




Livro: A cidade do sol
Escrito por Khaled Hosseini
Ano de origem: 2007
Li com vontade 368 páginas
Editado pela editora Nova Fronteira

Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rasheed, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela História, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a História continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

Pensamento: Quanto sofrimento se lê nessa história, mas sempre há a esperança no fim do túnel, quando se encontra a amizade a ponto de lutar pela felicidade.
Confesso que me revoltei bastante com tanto preconceito e tão pouco caso relacionado ao olhar machista em relação ao respeito pela forma que a mulher é tratada. 
Nota: 10,0